Quando falamos de ficar “fit”, “em forma” e outras expressões muito utilizadas, a palavra dieta pode ser o nosso maior inimigo. Se já é difícil a corrida matinal ou 100 burpees no final do dia, imaginem não “atacar” a despensa ao final de um dia de trabalho.   É aqui que entra a “cheat meal” ou a refeição “da asneira” ou o “miminho da semana”, como lhe queiramos chamar. Passar a semana com uma “asneira” programada dá outro “alento” ao nosso plano de ficar “em forma”. O conceito de “cheat meal” é muitas vezes confundido com “cheat day” ou “dia do lixo”. Como o próprio nome indica, cheat meal pressupõe uma refeição de “batota”, fora da restrição habitual da dieta, e não o dia todo.

A cheat meal não tem apenas a função de satisfação, tem também uma função de re-ativação do metabolismo o que pode ser muito benéfico para a perda de peso em si.

Vários estudos demonstram que a leptina (reguladora do apetite) diminui aquando jejuns ou restrições calóricas muito grandes e a grelina (estimuladora do apetite) aumenta, logo isto pode gerar uma desregulação no comporto e consequentemente aumento da ingestão calórica e do peso corporal. Resumindo, a cheat-meal aqui parece ter grandes vantagens, grandes entradas de calorias e hidratos de carbono naquele momento da semana, parecem “enganar” o nosso corpo, fazendo-o aumentar a leptina e reduzir a grelina!  Desta forma conseguimos dar um boost no nosso metabolismo! Este aumento do metabolismo parece durar alguns dias pós-cheat-meal, compensando a alteração hormonal que será novamente produzida pela restrição calórica. O timming das cheat-meals depende dos nossos níveis de leptina, indivíduos mais magros têm menos leptina e esta reduz rapidamente após restrições, pelo que estes indivíduos podem e devem fazer cheat-meals com mais frequência (e uma motivação acrescida para quem tem mais massa gorda!)

A ideia é ingerir mais quantidade do que o habitual e não propriamente alimentos ricos em açúcares e gorduras.

Outra  coisa importante a referir é que ****cheat-meal não é cheat-day! Dias inteiros de aneiras podem comprometer rapidamente o sucesso nos resultados. Também não conta fazer uma mini-cheat aqui e outra ali, é contra-producente.

Resumo:

  • As cheat meals são importantes para reactivar um metabolismo em restrição calórica;
  • Uma cheat meal diz respeito a uma e uma só refeição no dia;
  • Devem ser ricas em hidratos de carbono e energia;
  • Não devem ser feitas logo desde o início da dieta;
  • Se possível, deves treinar no dia seguinte.

Concluindo, cheat-meal não é uma forma de fazer batota na dieta, é sim uma forma eficaz e inteligente de se conseguir resultados mais duradouros e eficazes na diminuição da massa gorda, mas obviamente com controlo e com os alimentos adequados!