Tal como a Célia S, muitas outras mulheres/homens procuram gostar delas/deles próprias/próprios. Somos seres humanos e o que mais nos motiva, é todos os dias olharmos para nós com um sentimento de: “SE NÃO FOSSES EU, APAIXONAVA-ME”, pelo menos eu penso assim. Eu aprendi a gostar de mim, das minhas coxas grandes que desde miúda sempre odiei, sim eu tenho coxas grandes e não gosto nada!

Sabem aquela dor que sentimos quando vamos passear na praia em que uma coxa está constantemente a roçar na outra que até cria um vermelhão enorme e borbulhas? Pois essa sou eu e as minhas coxas!

Sempre idolatrei aquelas modelos de perna fina que parecem umas girafas quando passeiam na rua, sempre me chamaram a atenção aquelas pernas longas que fazem o corpo mais bonito. Agora, olho para mim e gosto de cada traço do meu corpo, umas vezes mais outras menos, umas noto mais a celulite, noutras acho que sou uma super modelo. Tudo isto muda consoante o nosso estado de espirito e o momento que estamos a viver.

A Célia é uma miúda nova, na casa dos 20-30 anos, era muito insegura do corpo quando chegou até mim, muito reticente de uma conversa com uma nutricionista pois nunca tinha estado com uma. Facilmente e, por sermos de idades tão próximas nos tornámos “confidentes da perda de peso”, eu já passei por isto, sou nutricionista mas sei a batalha que é a perda de peso. Contei a minha história à Célia, algo que sabia que a tornaria mais confiante no processo. Hoje passado um ano a Célia mantem os seu 35Kg perdidos e o sorriso no rosto estampado.

Se foi difícil e várias vezes quis desistir? Claro que sim, mas como sempre ouvi dizer, se não fosse difícil não era para ela. Estou muito orgulhosa de todo o trajeto que ela fez, da garra com que agarrou o seu objetivo, o de olhar ao espelho e vestir umas calças 38, uma Célia nova, uma mulher diferente!

Queres ser o/a próximo/a? Bora, estou à tua espera!